Falun Gong Protesta Contra 13 Anos Repressão na China

Em 25 de abril de 1999, dez mil cidadãos chineses apelaram para o governo em Pequim. Eles eram praticantes de Falun Gong que pediam o seu direito à liberdade de crença. Anteriormente, o regime chinês havia detido praticantes de Falun Gong em Tianjin e banido o livro principal da prática espiritual.

Um praticante de Falun Gong que estava lá no momento, fala sobre a motivação que levou os manifestantes a se deslocarem até Pequim. “Eu queria dizer a eles que praticantes de Falun Gong são todos boas pessoas. Aqueles que praticam o Falun Gong não violaram a Constituição, ou quaisquer leis chinesas, e não fazem mal a ninguém”, explica Ren Jiuchang.

Treze anos mais tarde, os praticantes de Falun Gong ainda mantêm o foco sobre a perseguição e as chamadas são provenientes de todo o mundo. Na quarta-feira, 25 de abril, praticantes do Falun Gong em Nova York se reuniram em frente ao Consulado Chinês, para entregar uma mensagem que não mudou durante treze anos. “Praticantes de Falun Gong ao redor do mundo estão pedindo o fim da perseguição ao Falun Gong, e querem levar os autores, Jiang Zemin, Luo Gan, Zhou Yongkang e Liu Jing e outros envolvidos para a justiça”, disse Yi Rong.

O apelo de 25 de abril de 1999 foi provocado pelo espancamento e prisão de um grupo de praticantes de Falun Gong em Tianjin, poucos dias antes. Eles haviam abordado o editor de uma revista que tinha publicado um artigo caluniando a prática. Então, seguindo orientação da polícia de Tianjin, praticantes de Falun Gong apelaram às autoridades centrais.

O então Premier da China, Zhu Rongji, se reuniu com um número de praticantes de Falun Gong e assegurou-lhes que eles teriam a liberdade de continuar a sua prática. Mas o ex-líder do Partido Comunista, Jiang Zemin, começou uma campanha de perseguição nacional contra a prática, em 20 de julho de 1999.

A praticante de Falun Gong, Zou Yuyun, foi uma das vítimas da perseguição. Depois de ter fugido para os Estados Unidos da América, há oito anos, ainda é difícil para ela lembrar esse aniversário. “Hoje cedo ouvi falar de uma praticante que tinha acabado de sair da China e sobre a sua experiência, e me lembrei de tudo o que eu pessoalmente passei. Então …. eu me senti ….. muito chateada hoje”.

Ainda assim, praticantes de Falun Gong continuam esperançosos. “Liberdade, Liberdade para o povo chinês”, disse Adryahn Hawkins.

Eles também têm uma mensagem para a liderança atual do regime chinês. “O principal culpado da perseguição é Jiang Zemin, ele tem o sangue de praticantes de Falun Gong em suas mãos … Hu Jintao e Wen Jiabao, vocês não têm que ser o bode expiatório – ou vocês terão que pagar os pecados [dos outros]”, concluiu Ren Jiuchang.

Karen Chang, NTD News, New York