Vangelis ♫♥♫ Chariots of Fire (1981) Nadia’s Tribute HD

Nadia Elena Comăneci (Oneşti, 12 de novembro de 1961) é uma ex-ginasta romena, que encantou o mundo na Olimpíada de Montreal em 1976. Disputou na modalidade artística e é ainda hoje tida como um ídolo mundial esportivo.

Uma das primeiras alunas do treinador Béla Károlyi, enquanto atleta, conquistou nove medalhas olímpicas, cinco delas de ouro, foi a primeira ginasta a receber uma nota dez – desempenho perfeito – em um evento olímpico de ginástica artística, também tem quatro medalhas mundiais e doze medalhas europeias. Ao lado da russa Svetlana Khorkina, Nadia é detentora do tricampeonato do individual geral continental, além de bicampeã olímpica na trave de equilíbrio. Em campeonatos nacionais, é ainda pentacampeã do concurso geral.

Nascida em uma cidade fabril das montanhas da Romênia, Nadia é filha de Gheorghe Comăneci e Stefania Alexandrina e irmã mais velha de Adrian. Seu prenome vem do diminutivo russo para Nadiejda e significa “esperança”. Segundo sua mãe, durante a gravidez ela assistia a um filme, cuja protagonista atendia por este nome e decidiu que sua filha assim se chamaria também. Com a família a jovem viveu em um pequeno apartamento de Onesti. Ativa durante a infância, adorava tanto saltar que quebrou as molas de quatro sofás em casa.

Certa vez, brincando de ginasta com uma amiga no pátio da escola, foi reparada por Béla Karolyi, que aproximando-se para falar com as meninas, ouviu o sinal tocar e as pequenas sumirem para dentro do colégio. Insatisfeito, entrou na escola e, classe por classe, foi atrás das duas garotas. Na terceira investida, as encontrou e de imediato as convenceu a fazerem o teste para treinar. Nadia andou sobre a trave, aparelho do qual as crianças tinham medo, saltou e cumpriu os requisitos da prova para iniciar seus treinamentos aos seis anos de idade. Na ocasião, o treinador declarou ser a menina a pupila perfeita: “Ela não conhece o medo”

Desde que deixou a vida de atleta profissional, Comăneci continuou envolvida com o desporto: hoje é membro de algumas associações e federações, bem como fundadora de uma instituição filantrópica e colaboradora em diversas outras tanto na Romênia quanto nos Estados Unidos, além de também colaborar para a revista International Gymnast – a publicação mais veiculada da ginástica – ao lado do marido, também ex-ginasta, Bart Conner. Por suas notas e conquistas, é considerada uma das maiores ginastas da modalidade de todos os tempos.

Fugida do regime comunista da Romênia, radicou-se nos Estados Unidos e tornou-se cidadã norte-americana. Lá, teve seu primeiro e único filho, Dylan, e abriu um ginásio e uma empresa de equipamentos que produz uma linha de vestuários.

Como premiações, recebeu a Ordem Olímpica por duas vezes, na primeira delas, como a atleta mais jovem a atingir tal distinção; foi eleita uma das cem mulheres mais importantes do século XX; figura, desde 1993, no International Gymnastics Hall of Fame, no qual fora a segunda inserida desde a inauguração da honraria; foi eleita pelo líder comunista romeno, Nicolae Ceauşescu, uma heroína do trabalho socialista, feito este atingido como a mais jovem; também fora eleita, na Romênia, a atleta mais importante do país, em votação realizada no ano de 2006; em 2007, foi escolhida pelo público a celebridade mais confiável da nação, foi eleita a melhor atleta do século XX pelo jornal português Mundo Desportivo, e recebeu da Academia Mundial de Recordes, o título de recordista mundial em sua modalidade.

“Chariots of Fire” foi composta pelo grego Vangelis em 1981 especialmente para a trilha sonora do filme homônimo.
Vangelis assina toda a trilha sonora do filme ganhador de quatro estatuetas do Oscar na ocasião.
A belíssima música-tema do filme, composta pelo grego Vangelis, tornou-se o hino oficial de todas as maratonas e maratonistas ao redor do mundo.